Artrite Reumatoide


Artrite Reumatoide

Esta é uma doença crônica que afeta as articulações causando dor, inchaço e pode ocasionar perda significativa na qualidade de vida se não for tratada.


Não é raro nos depararmos com uma pessoa de mais idade que apresenta uma alteração no formato das mãos que chama a atenção. Normalmente os dedos são tortinhos para um lado ou para o outro, a pessoa tem dificuldade em realizar movimentos simples como abrir uma latinha de refrigerante ou segurar um garfo. Muitas vezes esse aspecto físico está associado à Artrite Reumatoide.

O que é a Artrite Reumatoide?

A Artrite Reumatoide é uma doença autoimune, crônica, que afeta uma membrana que temos nas articulações e que pode causar deformidades articulares e desgastes ósseos incapacitantes.
Uau! Quantos termos técnicos, vamos lá…

Doença autoimune

Uma doença autoimune é resultado do mal funcionamento de um sistema de nosso organismo chamado sistema imune. Todos o conhecemos porque sempre falamos dele quando pegamos um resfriado ou aparece uma feridinha de herpes no canto da boca, “baixou minha imunidade”, “meu sistema imune está baixo” ou “estou precisando de vitaminas para melhorar minha imunidade”.

Dizemos isso porque o sistema imune é o responsável por produzir anticorpos e células de defesa que nos protegem de bactéria, vírus e outros potenciais invasores. De maneira muito resumida, o sistema imune tem a função de reconhecer algo estranho, produzir anticorpos contra o microrganismo ou o corpo estranho (sinalizadores ou ‘bandeiras de alerta’), ativar células de defesa que reconhecem aquilo que está marcado com os anticorpos e lança um ataque que tem o objetivo de destruir a ameaça.

Entretanto, no caso das doenças autoimunes, o sistema imunológico apresenta uma falha que o faz reconhecer algo próprio do organismo como se fosse uma ameaça e passa a atacá-lo. Nesse caso, qualquer parte do organismo/órgão pode ser agredido. Podemos citar vários exemplos de doenças conhecidas como diabete tipo 1 (destruição do pâncreas que deixa de produzir insulina), vitiligo (destruição dos melanócitos – células que produzem o pigmento da pele), tireoidite de Hashimoto (principal causa de diminuição da produção de hormônio da tireoide por destruição da glândula), além de várias doenças reumáticas como o lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatoide.

Crônica significa que a doença perdura por um longo período, neste caso por toda a vida.

As articulações

Nossas articulações (juntas ou junturas) são os pontos móveis de nossos esqueletos (joelho, tornozelo, punho, cotovelo, etc). É por conta da existência delas que somos capazes de fazer um duplo mortal carpado de costas – ou pelos menos alguns de nós. Assim, as articulações precisam ser ao mesmo tempo resistentes a esforços e suaves ao movimento, para isso, temos nas articulações pelo menos quatro componentes essenciais para possibilitar nossos movimentos:

  1. cartilagens, que permitem que tenhamos pontos de contato suaves entre os ossos;
  2. o líquido sinovial, que funciona como um lubrificante para diminuir o atrito e o desgaste das cartilagens;
  3. a cápsula sinovial/articular, que envolve as articulações de forma a garantir que o líquido ali presente não extravase para os tecidos ao redor;
  4. os ligamentos, que são fibras muito resistentes que dão estabilidade e força à junção para que os ossos não se separem com a tração.

Destes elementos, o mais importante para compreendermos a Artrite Reumatoide é a cápsula sinovial porque é ela quem mais sofre com ataque do sistema imune.

Deformidades articulares e desgastes ósseos

Deformidades articulares e desgastes ósseos são as consequências de longo prazo da evolução da doença. Por conta das alterações que iremos conversar mais adiante, as cartilagens se desgastam podendo afetar seriamente os ossos, diminuindo a mobilidade da articulação, a destreza e força da pessoa, o que por vezes incapacita o paciente, daí a necessidade de um acompanhamento médico rigoroso com um especialista.

Como saber se eu tenho Artrite Reumatoide?

Fique atento, nosso corpo fala e alguns sinais de alerta podem nos dar a dica de que está na hora de investigar. Dores nas articulações sem causa aparente e que não melhoram, especialmente nas mãos e nos pés. Essas dores podem estar presentes também nas articulações dos membros superiores, inferiores e no quadril. É comum que afetem o corpo de forma simétrica, as duas mãos, os dois cotovelos e assim por diante.

Além da dor, o inchaço das articulações, sensação de calor localizado e dificuldade de iniciar os movimentos depois de dormir por algumas horas devem acender uma luz de alerta.

Não é incomum que o paciente se sinta cansado/fadigado, associado a um estado de humor de certa apatia, diminuição de apetite e perda de peso.

Mas, para saber com certeza é necessária a avaliação médica, que vai levar em conta o histórico de cada paciente, o quadro clínico e o exame físico, podendo usar testes de laboratório para fechar o diagnóstico.

Os parâmetros mais frequentemente alterados no exame de sangue, por exemplo, são o fator reumatoide (aumentado em 70% dos casos), anticorpos anti-CCP (positivos em 75% dos casos), proteína C-reativa além de elevada velocidade de hemossedimentação eritrocitária – VHS (em 90% dos casos). Radiografias e a avaliação de uma punção de líquido sinovial também podem ser importantes.

Eu tenho Artrite Reumatoide, porquê?

A Artrite Reumatoide é uma doença que atinge cerca de 1% da população, especialmente mulheres (mulheres 3 x 1 homens) a partir dos 35 anos de idade. Histórico familiar da doença aumenta as chances de desenvolver caso em outros membros da família. Até aqui é uma questão de chance, então não tem um porquê. O tabagismo é outro fator importante para o surgimento da doença e gravidade.

Agora, existem coisas que podemos voluntariamente modificar em nossas rotinas. Fumar é, mais uma vez, fator de risco, assim como para vários outros males. E detalhe: quem fuma tem uma doença mais grave. Leve esse conselho a sério, pare de fumar. Hábitos alimentares inadequados, normalmente associados a sobrepeso também contribuem, por isso, alimente-se bem.

Outro aspecto importante é que quem tem artrite reumatoide e não se trata adequadamente garantindo um bom controle da doença, apresenta maiores riscos de desenvolver doenças cardiovasculares, tais infarto do coração, angina no peito e acidente vascular encefálico (“derrame”). Daí a importância de tratar e controlar bem a artrite.

Artrite Reumatoide tem cura?

Infelizmente ainda não podemos falar de cura da Artrite Reumatoide, mas o arsenal de possibilidades hoje em dia permite uma melhora significativa no quadro e na qualidade de vida quando o diagnóstico é feito cedo.

Como primeira linha estratégica para o tratamento está a mudança nos hábitos e a busca por uma vida mais saudável com exercícios físicos regulares e manutenção do peso.

Uma dieta regular e saudável geralmente é apropriada. Não há alimentos específicos que demonstraram causar crises ou melhorar a doença. Muitas dietas têm sido propostas, mas nenhuma ainda provou ser útil. Dietas da moda devem ser evitadas.

Já quando não dá para evitar e a crise aparece é sempre recomendado o repouso leve associado à fisioterapia e compressas de gelo nas articulações. Em conjunto é lançado mão do uso de medicamentos sintomáticos como anti-inflamatórios ou corticoides. Esses medicamentos apenas ajuda no controle da dor, mas tem pouco ou nenhum efeito sobre a doença a longo prazo.

O tratamento ao longo prazo que promove o controle da doença é feito com medicamentos de uma categoria especial que se chama “medicamentos antirreumáticos modificadores da doença” (DMARDs – sigla em inglês), podendo ser ‘sintáticos convencionais’, ‘sintéticos alvo-específicos’ e agentes biológicos’, os quais precisam ser avaliados com muito critério para garantir o benefício e diminuir os riscos de efeitos colaterais . Para se informar com mais detalhes sobre medicamentos para Artrite Reumatoide, recomendamos a página da MSN na seção “Medicamentos para Artrite Reumatoide”.

Quando o paciente não teve um diagnóstico no início da doença e/ou um tratamento adequado, pode ocorrer sérias lesões das articulações de maneira definitiva e irreversível. Nesses casos podemos utilizar do recurso cirúrgico que compreende diferentes abordagens incluindo a substituição completa da articulação, a fusão de uma articulação (artrodese) com restrição de sua mobilidade ou a remoção da cápsula sinovial da articulação. Cada procedimento tem sua indicação e a decisão de qual escolher depende de uma avaliação bem feita do reumatologista em conjunto com o ortopedista.

Está com dúvidas se você ou alguém próximo tem Artrite Reumatoide?

Nos procure, podemos ajudar. Clique aqui a marque sua consulta

Saiba mais:

  1. Cartilha informativa para pacientes da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR).
  2. Site da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR).